O Juramento - Capítulo Vinte

e a enterrou na barriga de Harry. "



Ele caiu de joelhos, imóvel. Matthew só ficou olhando-o, com desprezo no olhar. Mas havia algo mais ... inveja. Corri até Harry, segurando-o pelo ombro. Paralisei ao ver a estaca enfincada na barriga dele, jorrando sangue. Olhei para Matthew, mas ele saiu correndo, virando um borrão. Levei Harry para dentro. Ele soltava gemidos de dor. Deitei-o no sofá. Ele segurou a estaca, e a tirou, jogando-a no chão.
- Posso fazer alguma coisa ? - Perguntei, tentando ser útil.
- Você poderia fazer muitas coisas. - E deu um sorriso brincalhão.

Endireitei a postura, tentando disfarçar minhas bochechas vermelhas.
- Estou falando sério.
- Tem um copo de plástico branco no armário da cozinha, pode ser útil.
Fui até a cozinha e achei o copo. Quando o balancei, tinha um líquido dentro, sangue. Aproveitei e peguei um pano úmido, caso precisasse e voltei para a sala.
- Tire a camiseta. - Instrui. Fiquei com um pouco de vergonha de dizer, mas era necessário.
Ele sorriu de lado e tirou. Entreguei o copo com sangue e ele bebeu tudo, rapidamente. Logo em seguida, deitou no sofá. Peguei o pano úmido e sentei ao seu lado. O ferimento começou a cicatrizar, e pela primeira vez pude ver melhor suas tatuagens. Andorinhas, uma borboleta, frases e um barco foram as que mais chamaram a minha atenção. Comecei a limpar o sangue.
- Seus tios deixaram você fazer essas tatuagens ? - Perguntei.
Ele brincou:
- Seu tio pode estar certo sobre eu, talvez eu seja um pouco rebelde. - Sorri.
Continuei o trabalho, e com o tempo percebi que ele estava me encarando.
- Me diga o que está pensando. - Pedi.
- Que tenho vontade de morder seu lábio. 
Suas palavras me atingiram, fazendo-me estremecer. Mas logo seu sorriso desapareceu, sua expressão se tornou séria, parecia preocupado.
- Precisamos conversar. - Disse, com dor na voz.
- Agora ?
- Não. É melhor você ir descansar, amanhã conversamos.
- Mas ..
Ele não me deixou terminar. Levantou e me jogou no ombro, não consegui segurar a risada. Chegou no meu quarto e me jogou na cama. Sua expressão tinha se suavizado. Começou a sair, mas parou na porta, segurando o batente.
Deu um sorriso provocador e disse:
- Se precisar de qualquer coisa pode me chamar. 
Se virou e foi para seu quarto.
- Sonhe comigo. - Ele disse, no caminho.
Fui tomar um banho. Coloquei um short e uma regata e voltei ao quarto. Harry estava deitado na cama, com uma bandeja na barriga, cheia de frutas. Parei abruptamente.
- O que está fazendo aqui ? - Perguntei.
- Lembrei que você não jantou.
Sorri. Sentei na cama e ele também se ajeitou. 
- Mas não estou com fome. - Protestei 
- Mas tem que comer !
Ele pegou um morango e levou até minha boca. Sentei ao lado dele e comecei a comer alguns, sentia o olhar dele sobre mim.
- Espero que não fique brava depois disso. - Ele disse.
Quando percebi, ele já tinha se deitado me levando junto. Fiquei por cima dele. Suas mãos segurando com força minha cintura. Seus beijos frios queimando meu pescoço. O jeito como agarrava meu cabelo, me fazendo estremecer. Nos girou na cama. Sua boca roçando na minha. Um beijo provocante e feroz, mas com amor. Sua mão agarrava com força minha coxa, enquanto arranhava suas costas. Sua língua invadindo minha boca. O arrepio que atravessava minha espinha, quando mordia meu lábio. Ele foi parando o beijo e seus olhos se desviaram para o lado. Segui o olhar e vi todas as frutas esparramadas pela cama e a bandeja caída. Não contivemos um sorriso. 
- Desculpe pela bagunça. - Ele disse, sorrindo.
- Valeu a pena. - Retruquei.
- É melhor você dormir no meu quarto.
Realmente não tive como ficar brava com ele. Se levantou e me pegou no colo. Me levou até seu quarto e me deitou na cama. 
- Preciso resolver uns problemas, mas na próxima fico com você. - Anunciou, e logo em seguida me selou e saiu. Adormeci agarrada ao lençol dele, sentindo seu cheiro bom, o cheiro de seu perfume, lembrando dele.
Então, terá uma próxima vez.


Acordei com a luz do sol invadindo o quarto. Levantei e olhei as horas no relógio: 10:00. Dormi demais. Fui para o meu quarto e tomei um banho. Coloquei uma roupa e desci até a cozinha. Chelsea estava quase dormindo na bancada, com uma tigela de salada de frutas.
- Chegou que horas ? - Perguntei, pegando a tigela dela.
- De madrugada. Sabe de que preciso agora ?
- Dormir ? - Sugeri.
- Não. Sair para tomar um café.
- Você não cansa ?
- Só quando estou com Jake. - Tapei os ouvidos.
- Ok, não precisava saber disto.
Ela riu.
Depois que Chelsea acordou totalmente fomos de carro até o Starbucks do centro. 
O fim de semana estava agradável. Estava sol, mas o vento de outono era gelado. Ao lado do Starbucks, as folhas vermelhas e laranjas estavam caídas na calçada e no gramado da praça. As árvores alaranjadas, já perdendo as folhas. Era uma linda vista da cafeteria. Eu e Chelsea ficamos jogando conversa fora, tomando café e observando pela grande janela de vidro ao nosso lado, a paisagem e quem passava. Outono era uma das minhas estações do ano preferida, junto do inverno. Adoro ver o sol, mas sentir a brisa gelada, as folhas coloridas caídas nos gramados, o barulho que fazem quando piso nelas, as árvores laranjas quando não estão sem folhas. Ou a neblina, com o vento gelado batendo no rosto, os casacos pesados, os flocos de neve, os gramados e telhados brancos, os lagos congelados, as árvores secas ...
Do outro lado da rua, vi um homem. Vestido totalmente de preto, com um boné. Estava parado no meio da calçada. Percebi que me encarava. Levantei, fingindo que iria jogar algo no lixo, seus olhos me acompanharam. Voltei a mesa, com seus olhos fixos em mim. Comecei a conversar sobre qualquer coisa com Chelsea, disfarçando. Olhei de soslaio e ele estava falando em um celular. Um ônibus passou na rua, atrapalhando minha visão. Quando foi embora, o homem havia sumido. Me perguntei onde estaria Harry. Já soubera que ele não dormiu em casa e nem voltara pela manhã. 
Terminamos o café e deixei Chelsea em casa. Lembrei que precisava passar no supermercado.

Passei no caixa do supermercado, levando doces, comida congelada e bebidas. No estacionamento, guardei as compras no porta-malas. O estacionamento estava vazio. Não tinha muito movimento pela manhã. Atrás do mercado, tinha uma pequena floresta. Na estrada , era difícil passar algum carro. Abri a porta do carro e meu celular tocou. Olhei no visor, Harry.
- Oi. - Disse, sabendo que seria a primeira vez que nos falaríamos depois da noite passada.
- Onde você está ? - Ele falava depressa, sua voz estava alarmada.
- Fui dar um volta. Aconteceu algo ? - Um calafrio passou pelo meu corpo. Um pressentimento ruim.
- Você não podia ter saído de casa, Serena. - Sua voz ganhou um tom de raiva e impaciência. E pude ouvir ele soltando algumas palavras inapropriadas.
- Por que ? O que está acontecendo ? - Eu estava começando a ficar nervosa. Percebendo que o estacionamento vazio do supermercado era um ótimo lugar para sequestros e assassinatos.
- Alguém te seguiu ?
Comecei a ouvir folhas sendo esmagadas atrás de mim. Me virei, procurando alguém. Nas sombras, pensei ter visto alguém me olhando e logo em seguida se escondendo. Vultos passavam por trás mim depressa.
- Harry, acho que ... 
Me preparei para avisá-lo, mas não deu tempo. Colocaram um capuz na minha cabeça e me seguraram por trás. Deixei o celular cair. Tentei chamar Harry pelo telefone, mas não pude. Alguém me segurava por trás e senti que outra pessoa tentava segurar meus pés. Comecei a chutar e acertei a pessoa. Tentei gritar na esperança de qualquer pessoa vir para me ajudar. Comecei a espernear e consegui me soltar, mas alguém me deu um soco no estômago e me empurrou. Ao cair no chão, bati a cabeça. Não conseguia mais me movimentar. Minha cabeça doía demais e latejava, fui perdendo os sentidos. Era difícil respirar. Meu estômago doía. Fiquei arfando no chão, em busca de ar. Me pegaram pelos ombros, mantendo-me de pé, e me jogaram no ombro de alguém. Logo em seguida, ouvi uma porta sendo aberta. Provavelmente de uma van pelo som de porta deslizando para o lado. Me jogaram no banco e amarraram minhas pernas e mãos. 




* * *

Oi Gente !
Hm, quem fez isso ?
Queria agradecer aos comentários no capítulo anterior, vocês são uns amores >.<
E para o anony que perguntou, sim eu li Instrumentos Mortais, é uma das minhas séries preferidas !
Kisses :)


7 comentários :

Anônimo disse... Responder

Ta perfeito continua, agora estou curiosa pra saber quem foi. *-*

Bibi Abdalla disse... Responder

Ja diria Leeroy- you are perfect ;) continua logooooio

Manu disse... Responder

Eu sei quem foi lolololol
Foi ozinimigo dela jsijsushsh (ava)
Continua, continua, continua
Bjao diva

Letícia Santana Martins de Paula disse... Responder

Essa fic sempre me surpreendendo, adorei! Estou ansiosa pro próximo Cap.
Letícia M.

Joyce Rayane Dos Santos Silva disse... Responder

Aaah continua ta perfeita ♥ ♥

Thais Ramos disse... Responder

Gente, scrr! Essa fic me prende cada vez mais.
E... até que enfim atendeu aos meus imploraveis pedidos para que Harry e Serena se beijassem kkkk'
Ta pft ;)

Nicole M. disse... Responder

Obrigada pelos comentários super fofos >.<

Postar um comentário