O Juramento. Capítulo Doze



"  Então, por que eu não passo na sua casa de tarde e trabalhamos naquele resumo ? Aproveito e mostro minhas habilidades também. "




 Logo que o sinal bateu, peguei meu carro e Chelsea e fomos direto para casa.  
Quando chegamos, ela pegou suas coisas e foi para o quarto bufando, porque tinha um trabalho para a escola. 
Joguei minhas coisas no sofá e pedi comida chinesa. Não sou boa na cozinha e quando tinha a Margareth era bem melhor. Preciso de uma cozinheira ou terei que viver de lanches prontos, comida chinesa e pizza. 
Harry ainda não tinha chegado em casa. Ele não tem uma rotina. 
Assim que a comida chegou, levei tudo lá para cima e fui tomar um banho. Coloquei uma calça e uma regata branca. 
Logo que terminei de comer a campainha tocou. Era Matthew. 


Convidei-o para entrar. Ele entrou e colocou a mochila no sofá e me seguiu até a cozinha.
- Quer cozinha chinesa ? - Ofereço, enquanto a pego na geladeira.
- Claro.


 Assim que ele terminou de comer, peguei seu prato e o coloquei na pia. Até que sinto sua respiração na minha nuca. Me viro e ele está bem atrás de mim, me encarando com olhos devoradores. Tento sair de seu alcance, me desviando até o balcão e pegando o caderno com lições. Ele veio até mim e desta vez me prensou contra o balcão, colocando as mãos no mesmo, uma de cada lado do meu corpo.

- Já disse o quanto gostei de você ter me convidado ? - Perguntou, enquanto me fitava.
- Por que ? - Digo, já meio sem ar.
Ele se inclina mais e diz no meu ouvido :
- É bom passar um tempo sozinho com você.
Não posso deixar de estremecer quando sinto sua boca roçando na minha bochecha. Coloco a mão em seu peito e o afasto. Ele está com um sorriso no rosto, como se gostasse de me ver assim, com a respiração descontrolada.
- Então, vamos fazer esse resumo.
Subimos para o quarto e nos jogamos na cama.
Comecei a ler o capítulo, e senti que seus olhos me estudavam enquanto lia. Até que desviei do assunto, tomada pela minha curiosidade.
- Quantas pessoas você já mordeu ?
Ele não pareceu surpreso com a pergunta, e sim satisfeito por eu ter perguntado.
- Nós não transformamos sem um motivo. Que seja tédio, diversão, ou vingança... Ok, por vingança, sim. - Disse, com um sorriso.
- Eu não vejo a transformação como vingança. Para falar a verdade, não acho que seja uma coisa ruim. Quem te transformou ?
- Faz muito tempo. Foi uma mulher.
- Você já a conhecia ?
- Enquanto era humano, eu ficava com ela. Sabia que era vampira, mas ela prometeu nunca me transformar se eu não quisesse. E eu não queria. Ainda não sabia que meus pais teriam que me transformar quando chegasse a hora certa. Até que um dia ela me transformou e eu fiquei com muita raiva.
- O que você fez depois de ser transformado ?
- Descobri que ela não me transformou por amor, e sim, por tédio de estar a tanto tempo comigo. Como disse, fiquei com muita raiva e a matei. - Senti todos os pelos do meu corpo se eriçarem, mas não demonstrei.
- Como você conseguiu matá-la se ela era mais velha e mais forte ?
- Minha raiva ajudou.
- E depois disso, você mordeu muitas pessoas ? - Hesitei um pouco mas fiz a pergunta, de novo.
Ele sorriu e retrucou :
- Você não desiste fácil né ?
- É só me responder.
- No começo foram algumas. Vendo isso hoje, já não sei mais. Algumas foram por que não consegui me segurar, outras por desejo. - Seus olhos transbordavam luxúria. Então, tentei desviar de assunto.
- Quer terminar o resumo ?
- Não. 
 Ele jogou o caderno que estava no seu colo para o lado e veio até mim.
Pegou o meu caderno e o jogou no chão. Me pegou pelo braço e me deitou na cama, ficando por cima. 
- Teria coragem de me morder ? - Podia ver meu peito subindo e descendo com a respiração descontrolada.
Ele abriu a boca para falar, mas a fechou. Por fim disse :
- Acho que teria.
Vi nos seus olhos que ele não queria fazer aquilo no momento. Já sabia o que estava em mente, mas precisava ouvir dele.
- O que você quer fazer comigo ?
- Quero fazer muitas coisas com você, mas não mordê-la. Não agora.
Ele afrouxou mais sua mão no meu braço, e a deslizou até minha cintura. Sua boca se aproximava da minha. Eu não conseguia protestar ou simplesmente sair dali. Não sabia o que estava acontecendo comigo. Seus lábios estavam a centímetros do meu. Desceu até meu maxilar, distribuindo beijos. E chegou ao meu pescoço, deixando uma trilha de chupões e beijos. Até que senti duas pontas afiadas na minha pele. Suas presas. 






OOi amoras !
Me desculpem se o capítulo foi curto, mas não tive muito tempo, e não queria deixar vocês sem nada. Devem estar querendo me matar por parar nessa parte, né ?
Mas espero que tenham gostado. Comentem, por favor !
Beijos ><





5 comentários :

Anônimo disse... Responder

To amando tua fic posta hj mais pfv..

Joyce Rayane Dos Santos Silva disse... Responder

Não me deixa curiosa,posta logo por favor ta perfeita ♥ ♥

Anônimo disse... Responder

Tá tudo perfeito mas pf n me deixa com essa curiosidade posta outro Cap ainda hj pf!
Leticia M.

Manu disse... Responder

Porque sempre tem que acabar nessas partes????? Continua logo! Hoje, por exemplo.

Nicole M. disse... Responder

Obrigada suas curiosas ! Logo eu posto :3

Postar um comentário