Truly, Madly, Deeply Capítulo 68 - Ratatoullie


Dia seguinte
Assim que acordei, com o grito da minha mãe, pude perceber que nada havia sido um sonho. Tudo estava dando errado, como sempre. Todos tem o seu dia de sorte, eu nunca tive este dia, e parece que nunca terei. Talvez seja um karma, mas por que logo comigo? Eu sempre fiz tudo corretamente, sempre segui as regras, nem sempre, mas isso não faz diferença. Minha mãe alertou-me que precisávamos ter uma conversa, eu sabia o que ela iria falar. Certamente seria 'Volte para ele' ou 'Ele meresse uma segunda chance', pena que ela não sabe nem o terço da minha vida amorosa muito menos dos meus problemas com Niall.
Tomei um banho rapidamente, vesti uma roupa confortável, afinal era domingo e eu não iria sair para nenhum lugar. Desci rapidamente para tomar café e avistei minha mãe e meu pai sentados na mesa tomando café.
Eu: Bom dia – sorri de lado.
Pai: Bom dia – sorriu e eu retribui o sorriso.
Eu: Então, que horas será a vigem?
Mãe: Daqui a pouco, se passarmos mais de vinte minutos, chegaremos atrasados
Eu: O que farei aqui sozinha…?
Mãe: Aproveite a semana, organize a sua vida e converse com o Niall
Eu: Eu e o Niall não temos mais nada para conversar
Pai: Sabemos que não, a sua mãe estava brincando – encarou minha mãe
Eu: A Jessie ligou? – mudei de assunto
Pai: Ela ligou hoje cedo, disse apenas que esta adorando a faculdade e que esta com saudades
Eu: Eu preciso falar com ela
Mãe: Ligue mais tarde, ela deve esta dormindo de novo
Eu: Tudo bem
Pai: Então, está na hora de irmos – jogou o jornal em cima da mesa e ajeitou o relógio de pulso
Mãe: Cuide-se querida
Eu: Pode deixar
Pai: Não esqueça das regras – revirei os olhos
Eu: Tudo bem
Mãe: Eu pedi para a Sra. Jeferson preparar o seu almoço, sei que iria comer besteiras, então pedi para preparar uma comida saudável
Eu: Tudo bem – sorri revirando os olhos
Mãe: Um abraço? – levantou da cadeira e abriu os braços, que logo estavam preenchidos por mim
Eu: Tenham uma boa viajem – desabracei-a
Pai: Cuide-se little Gray – deu-me um beijo na testa
Eu: Pode deixar papai
Mãe: Temos que ir – apressou-se - Não faça nenhuma bobagem – apertou meu nariz – Voltaremos daqui há uma semana
Eu: Vou sentir saudades – sorri
Pai: Tchau – acenou
Mãe: Tchau filha – abraçou-me novamente, desta vez, o meu pai juntou-se ao abraço – Tome cuidado
Eu: Pode deixar – repeti
Meus pais foram até o carro e depois de alguns acenos, entraram nele. Eu fiquei na porta acenando enquanto o carro não dobrava a esquina, e assim que dobrou eu voltei para casa. Eu estava triste, iria ficar uma semana sozinha em casa, isso não era muito legal ao meu ponto de vista, mas eu poderia fazer tudo o que quisesse. Porém, tudo o que eu quero neste momento está bem distante do meu alcance, então pelo que parece, terei que me sustentar com TV.

[…]
Já passava das onze horas da manhã, eu estava assistindo Harry Potter e o Calíce de Fogo, quando alguém bate em minha porta, eu hesitei em responder, estava esperando que alguém gritasse um nome ou algo assim para ter certeza de que não era Niall. E assim a outra pessoa fez.
– Angel, sou eu a Sra. Jeferson, sua mãe pediu que eu fizesse o seu almoço, e eu já terminei – dei um pulo do sofá e abri a porta com um sorriso tão amarelo que parecia até ser irônico.
Eu: Desculpe pela demora, eu estava cochilando – menti
Sra. Jeferson: Oh, me desculpe…Sua mãe pediu que eu fizesse seu almoço e aqui está – entregou-me uma tijela – É Ratatoullie, sabe eu sou francesa
Eu: Eu amo Ratatoullie – quando disse isto esta me referindo ao filme – Eu não sabia que a senhora era francesa
Sra. Jeferson: Pois agora sabe – sorriu
Eu: Seu sobrenome não é franceses
Sra. Jeferson: Meu nome é Colett Tissot, Jeferson vem de Willian Jeferson, meu falecido marido – olhou para cima e fez um gesto de cruz
Eu: Ah, me desculpe, não sabia que…
Sra. Jeferson: Não precisa se desculpar, afinal, eu também não sei nada sobre você
Eu: Meu nome é Angelina Gray
Sra. Jeferson: Que nome lindo! – agora, apenas agora pude perceber o seu sotaque francês
Eu: Parece que nem os nossos vizinhos conhecemos direito – olhei para o chão
Sra. Jeferson: Isto é verdade, mas, agora nos conhecemos, não é?
Eu: Ouí – que coisa péssima, esse francês foi tão ruim que até a Colett riu
Sra. Jeferson: Ah, querida eu gostei de você – disse um pouco ofegante por conta do ataque que estava tendo com a minha improvisasão francesa, agora era notável o seu sotaque
Eu: Obrigada Sra. Jeferson
Sra. Jeferson: De nada, se precisa de qualquer coisa, estarei na casa a frente – sorriu e foi embora.
Fechei a porta e encarei o Ratatoullie, eu nunca havia comido isso na vida, mas se a Sra. Jeferson cozinhar tão bem quando o Rémy, eu tenho certeza que irei adorar. Pus a tijela que ainda estava quente em cima da mesa, tirei uma tampa plástica e pude ver e sentir o cheiro do Ratatoullie, e não parecia ser tão bom quanto o do filme.
Eu: O que tem aqui dentro? – tapei o nariz com dois dedos, não era bom a vista e não parecia nada apetitoso.
Meu estômago se contorcia ao sentir o cheiro do Ratatoullie, pena que ele não sabia que era ruim. Mas eu estava morrendo de fome, e como a minha mãe dizia-me quando era pequena, de que adianta reclamar se nunca provou?. Com esta frase em mente, peguei uma colher e encarei a tijela, ela estava cheia de legumes que eu nunca havia visto, não daquele jeito. Respirei fundo e enchi a colher, em seguida coloquei na boca e… Nem é tão ruim assim. Após duas colheradas, peguei um prato e servi o meu almoço, fui até a mesa de jantar e comecei a degustação.
Depois de comer quase todo o Ratatoullie, guardei a tijela na geladeira, sabe-se quando terei fome. Lavei minhas mãos na pia da cozinha e voltei a assistir, o filme estava quase acabando. Minha barriga estava contorcendo-se, fazia uns barulhos estranhos e derrepente veio uma vontade de vomitar, coloquei a mão na boca evitando um desastre ali e agora. Sai correndo pelas escadas até o banheiro, onde coloquei todo o almoço e o café da manhã para fora. O que havia acontecido?
Depois de botar tudo para fora, levantei do chão e limpei a minha boca, apertei a descarga do sanitário e lavei minhas mãos e boca, acho que havia algo estragado naquele Ratatoullie, bem que eu notei algo estranho. Assim que terminei de lavar-me, desci e fui até a cozinha verificar o Ratatoullie, ele parecia bom, não aparentava ter nada estranho, talvez houvesse algum legume no qual eu sou alergica ou algo assim. Resolvi apenas ignorar, mesmo sabendo que havia acontecido algo de ruim. Guardei a tijela de novo e voltei a assistir.
– Narrador P.O.V's
Enquanto Angel pensava no que havia acontecido, Niall pensava no que dizer para os seus pais assim que seu pai lhe deu as chaves de um apartamento enorme.
Niall: Eu…Nossa! – disse ele, ainda admirado
Maura: Gostou filho? Nós resolvemos dar um presente para você, já que vai construir a sua familia – apertou o braço de Bobby
Niall: Eu adorei! – disse dando algumas voltinhas para admirar mais o apartamento enorme.
Maura: Que bom – limpou uma lágrima que surgiu em seus olhos
Niall: Por que está chorando? – sussurrou.
Maura: O meu filho está crescendo – colocou a mão na boca evitando o choro
Niall: Não fica assim – abraçou a mãe
Bobby: Eu ainda acho que você é muito novo!
Maura: Cala a boca Bobby! – Niall sorriu
Niall: Eu adorei, obrigado
Bobby: O apartamento já está mobilhado, então pode se mudar quando quiser – disse firme
Niall: Tudo bem – sorriu de canto.
Maura ficou observando o filho curioso com um sorriso, ela estava feliz, seu filho estava começando a criar um familia.
Hey little dreams ^^
Como estão? Gostaram do capítulo? Eu não gostei muito. Como alguns sabem, estou fazendo uma longfic, ela estava há meses no meu celular então comecei a fazê-la novamente, eu gostei bastante da ideia. Espero que tenham gostado do capítulo assim que terminar com o capítulo Hazza eu posto e.e
Beijos♥

2 comentários :

Joyce Rayane Dos Santos Silva disse... Responder

Continua ♥♥♥

Anônimo disse... Responder

Sera que ela tá grávida?? Ai que apreensão, pf continua rápido!
Leticia M.

Postar um comentário