O Juramento - Capítulo Dezenove

"Agora, é só aguardar."


Assim que o filme acabou, Harry foi levar Tracy para casa e Matthew foi para a dele. Em algumas horas estariam de volta para o pesadelo começar. Se em uma festa que fui com Matthew aconteceu tudo aquilo, imagina uma com os três juntos. Subi para o meu quarto e tomei um banho. Estava saindo do banheiro quando ouvi Harry indo para o seu quarto. Fechei a porta para ter mais privacidade e fui até o closet. Examinei minhas opções. Nada de interessante. Então, primeiro arrumei o cabelo. Passei uns cremes de modelação de cachos e os amassei na mão. Passei perfume. Apliquei rímel nos cílios e um gloss avermelhado. Abri uma fresta da minha porta e chamei por Chelsea. Ela com certeza teria alguma roupa para me emprestar. Expliquei a situação e ela voltou com várias roupas nos braços. Entrou e fechou a porta.

- Você me disse que é uma balada, certo ? - Perguntou, atirando a montanha de roupas na cama e examinando-as.
- Isso. Olha, não quero nada muito extravagante.
- Então por que me chamou ? - Ela brincou.
- Vamos lá, você tem que ter algo mais simples. Eu sei que é difícil, mas deve ter. É só procurar.
Ainda de toalha, fiquei remexendo nas roupas enquanto Chelsea opinava. Por fim, escolhi três vestidos. Ela saiu para pegar os sapatos que combinariam com eles. Enquanto me olhava no espelho e colocava os vestidos na frente do corpo, meu celular tocou. Vi no visor que era Harry. Para que me ligar, não podia bater na porta ? Mas atendi.
- Que foi ?
- Cadê você ?
- Como assim ? 
- Estou na porta de casa esperando e  Matthew está vindo. É bom que já esteja pronta.
- Está brincando ? Acabei de sair do banho, ainda estou de toalha.
Posso não ter acabado de sair do banho, mas estava de toalha.
- Está tentando me provocar ? - Sua voz adquiriu um tom brincalhão.
- É sério, Harry. Ainda estou de toalha. Atrase um pouco.
- Pare de me provocar ou vou aí e não respondo por mim.
- Atrase o pessoal. - Disse por fim e desliguei.
Chelsea voltou com os sapatos e me apressei a escolher o vestido. Peguei um e o sapato, e Chelsea foi para seu quarto, levando a montanha de roupas.
Entrei no closet, que tinha um enorme espelho e seria melhor para me ver e me vestir. 
- Serena ? - A voz de Harry me assustou. Ouvi ele entrando no quarto.
- Estou no closet me trocando, espere um pouco. - Falei em voz alta.
- Vamos logo, quero ver o resultado de tanta demora ! 
Coloquei o vestido. Branco. Todo coberto na parte da frente, sem decote, de mangas compridas. A saia era um pouco rodada e de renda, e estava um pouco curta, mas não tinha tempo de mudar de ideia. Nas costas ele era todo aberto. Fiquei receosa de sair, com as costas nuas e a saia curta. 
- Pronto ? - Harry gritou.
- Não ria, nem olhe muito. - Pedi, através da porta.
- Não vou rir, mas vou olhar.
Só podia ser brincadeira. Saí e ele levantou da cama, espantado. Me mediu por inteira.
- Então ?
- Está perfeita. - O brilho de seus olhos voltaram.
Meu celular tocou. Matthew, me chamando para descer.

Eu fui no meu carro, e Matthew no dele. Harry com Tracy. 
Ás 22:00 chegamos no lugar. Estacionamos a uns três quarteirões de distância. Na entrada tinha uma fila ao lado da boate. Várias pessoas esperando para entrar. Um segurança verificava os tickets e liberava a passagem. Na frente, havia duas janelas cobertas com insulfilm. O prédio de dois andares era preto, com um beco ao lado. Um letreiro de luzes vermelhas piscante chamava atenção no alto da porta, com o nome da boate, Pandemônio.
Não fomos para o final da fila, só chegamos perto do segurança que guardava a porta. Harry falou algo para ele e passamos. 
A boate estava lotada. Os corpos balançando. A música estourando nas caixas de som, ao lado do DJ no palco. Pessoas se beijando e dançando sensualmente.  Descemos alguns degraus até a pista. Tracy logo puxou Harry para a pista e Matthew também foi. Não queria dançar, então fui até o bar. Pedi um refrigerante e fiquei observando: Tracy se esfregando no Harry, Matthew dançando com uma garota, mas logo ele saiu da pista e veio na minha direção. Me levou até a pista de dança. Me deixei levar pela música, balançando o corpo. Mas logo, outra coisa chamou minha atenção: Tracy prensou Harry contra um pilar e eles estavam quase se beijando. Virei o rosto, não conseguiria ver aquela imagem. 
- O que um cara precisa fazer para ter a sua atenção ? - Matthew me perguntou. 
- Desculpa. Preciso beber algo. Não precisa vir comigo, pode ficar aqui dançando.
Fui até o bar e deixei Matthew com outra garota. Mas sentia que seus olhos estavam cravados nas minhas costas enquanto me afastava.
Sentei e logo em seguida senti uma mão fria nas minhas costas nuas. Mordi o lábio para não estremecer ao toque. Harry se sentou no banco ao meu lado. Estava sorrindo para mim.
Olhei para o pescoço dele, que estava com uma mancha de batom.
- Está sujo aqui. - E coloquei o dedo na manha. 
Ele pareceu que nem me escutou. Segurou minha mão e me puxou para mais perto. Passou o dedo nos meus lábios.
- Você não precisa disso. - Ele disse, fitando minha boca e tirando meu batom.
Dei um tapa na sua mão e me endireitei no banco. Ele sorriu, pois sabia que tinha me atingido. 
- Está sem um par ? - Ele perguntou, e bebeu meu refrigerante.
- Deixei Matthew na pista.
Ele arqueou uma sobrancelha e perguntou:
- Nenhum garoto te agradou ?
- Não.
- Bom saber que nenhum garoto atende a suas expectativas.
Me virei para frente, para não ter que olhá-lo. Mas sentia que ele me encarava.
Já não aguentando mais, disse:
- Me diga o que está pensando.
Ele me olhou por inteira e respondeu:
- Você nem faz ideia do que estou imaginando.
Estremeci. Eu fazia bem ideia do que ele estava imaginando. Me levantei para sair, mas ele me interrompeu.
- Desculpe não ter falado antes, mas adorei nosso beijo.
- Pensei que já tinha esquecido. - Disse, me virando.
- Jamais.
Olhei a mancha de batom no pescoço dele e me lembrei.
- Cadê a Tracy ?
-  Na pista com Matthew. Terá que me aturar. Mas comigo você não será mordida por nenhum vampiro.
- Será que pode falar isso mais alto ? Quem sabe o barman não consegue ouvir na próxima. - Disse, irônica.
Ele se preparou para falar mais alto, mas o interrompi, colocando um dedo sobre seus lábios.
- Nunca ouviu falar em brincadeira ? - Perguntei.
Ele me fitou. Só depois percebi o que tinha feito. Tirei rapidamente o dedo e mordi o lábio, reprimindo a vergonha. Ele colocou o dedo no lábio que mordi e o puxou para baixo, me fazendo parar.
- Não morda o lábio.
- Vou ... ao banheiro. 
Saí dali praticamente correndo. Cheguei ao banheiro e lavei o rosto. Estava quente. Era assim que Harry me deixava. Instável e vulnerável. Molhei o pescoço e sequei. Quando me recompus, saí. Matthew estava me esperando na entrada do banheiro. 
- Adivinha o que tenho para você ? - Ele perguntou, com um sorriso largo no rosto.
- Não sei, me mostra.
Ele tirou de trás das costas uns papéis pequenos e me deu. Olhei bem e vi que eram passagens. Passagens para a Romênia. Me surpreendi.
- Disse que você iria visitar meu castelo.
As passagens estavam agendadas para uma semana depois. Depois de Matthew ficar falando o quanto era maravilhoso lá, precisei ir para casa. Saí da boate sem falar com ninguém. Desci os quarteirões e cheguei até o carro. Abri o porta-malas e peguei um casaco. A noite estava fria, e o vestido não ajudava muito. Felizmente, ele era mais longo que o vestido e cobriu tudo. Entrei no carro e tirei os saltos. No caminho de volta, mandei uma mensagem para Chelsea, perguntando onde ela estava.
ESTOU A SETE QUARTEIRÕES DE DISTÂNCIA DE CASA, INDO NA DIREÇÃO DO CAFÉ VOCÊ ME ENCONTRA. - Ela respondeu.
O QUE VOCÊ ESTÁ FAZENDO ? - Perguntei de volta.
FEEEESTA ! 
DE NOVO ?
VOCÊ ME CONHECE ! SE QUISER PODE VIR.
ESTOU CHEGANDO. - Digitei.
Antes passei em casa para trocar de roupa . Colocar algo mais confortável. Deixei o carro na garagem e segui a pé. Sete quarteirões não eram tão longe. 
 A música não estava tão alta, já que eram 23:30. No jardim, Chelsea estava me esperando. Ela me deu um abraço e me levou para dentro. A música eletrônica estava razoável nas caixas de som ao lado da escada e no canto da sala. O chão estava cheio de copos. Na cozinha, tinha a caixa com cerveja e uma mesa com copos ao lado. Um garoto ficava servindo as bebidas. Pessoas subiam para os quartos e se dividiam no sofá da sala e na cozinha. Reparei que Chelsea, apesar de estar comigo, ficava olhando o grupo do time de futebol no canto da sala. Quando algumas pessoas saíram de lá, percebi que Jake estava no meio deles. Claro ! Chelsea vivia nessas festas por causa dele. E ela tirou a noite para ficar com ele, já que não esperava que eu viesse. E não iria estragar a noite dela.
- Para falar a verdade, não estou com muita animação para festas. Pode ir ficar com Jake. Vou tomar algo e já vou para casa.
Os olhos dela se iluminaram, e ela deu um sorriso largo.
- Sério ? 
- É. Pode ir.
Antes de voltar para os braços de Jake, ela me perguntou várias vezes se eu tinha certeza. 
Fui até a cozinha para beber algo. O garoto que ficava servindo enfiou a mão na caixa térmica e tirou uma cerveja.
- Não tem outra coisa ? - Perguntei. Desde que fiquei bêbada, prometi a mim mesma que não beberia de novo, para não passar vergonha igual da última vez.
- Só cerveja.
- Tudo bem.
Ele tirou a cerveja da caixa e colocou no copo com gelo. 
- Me vê uma. - Disse, uma voz bem atrás de mim. Quase falando no meu ouvido. Uma voz que eu sabia bem de quem era. A mesma voz rouca de Harry.
O cara entregou a cerveja de Harry e a minha. Me virei e ele estava sorrindo, mas eu não.
- O que está fazendo aqui ? - Perguntei.
- Você saiu sem ninguém ver, e também não avisou, fiquei preocupado.
- Como sabia que eu estaria aqui ?
- Tenho meus contatos.
- Se não se importa, a noite já foi cheia de surpresas. Preciso ir para casa.
Ele arqueou as sobrancelhas e perguntou:
- Surpresas ?
- É. Nada que você precise saber. 
Coloquei a mão na maçaneta para abrir a porta dos fundos, mas ele me impediu, colocando sua mão sobre a minha e segurando a porta. Não me virei.
- Você acha que uma viagem para o castelo de Matthew não é nada que eu precise saber ? - Perguntou no meu ouvido, com a voz rouca e baixa.
Me virei.
- Ele te contou ? 
- E ele perderia a chance de esfregar o quanto você ficou empolgada com a notícia na minha cara ? - Ele debochou.
- Mas eu não fiquei empolgada. - E ele sorriu.
Percebi que sua mão ainda estava sobre a minha. E ele também, pois acariciou as costas da minha com o polegar.
Tirei a mão da maçaneta e comecei a sair.
- Precisamos conversar. - Ele disse, me fazendo parar.
- O meu dia não foi dos melhores, será que não pode esperar até amanhã ? - Pedi, dando um tom cansado a voz.
E parece que ele entendeu.
- Claro. Veio de carro ? - Perguntou, também transparecendo um tom cansado na voz.
- Vim caminhando.
- Eu te levo.
Saímos da festa e não vi o carro de Harry estacionado perto da casa.
- Cadê seu carro ? - Perguntei.
- Também vim caminhando.
Ele se aproximou e me pegou no colo. 
- O que você vai fazer ? - Perguntei.
- Te levar para casa.
Ele começou a correr e em alguns segundos estávamos na porta de casa. Não consegui conter um sorriso. Ele percebeu e também sorriu, mostrando suas covinhas. Ele começou a fitar minha boca e percebi que estava mordendo os lábios. 
- Pode me soltar agora. - Falei, com a respiração já acelerada.
- Talvez eu não queira te soltar. Nunca mais. - Percebi um pouco de dor em sua voz. 
- Vejo que chegou a salvo em casa. 
Eu e Harry viramos o rosto na mesma direção, onde Matthew estava. Ele saiu da escuridão e veio em nossa direção. Harry me soltou com cuidado, sem desviar os olhos de Matthew.
- Comigo ela sempre estará a salvo. - Harry disse, me colocando atrás dele. - Já com você ...
- Todos comentem erros. Devemos perdoar e seguir em frente.
- Você tem cometido muitos e sempre os mesmos. - Já não entendia sobre o que eles estavam falando.  Matthew deu de ombros - Aliás, é melhor você ir e não voltar. Nunca mais. - Sua voz ganhou um tom frio e ameaçador. 
- Eu vou voltar e voltar porque ela é minha. - Me assustei com o que ele disse. Parecia o vampiro rebelde da outra noite. 
Ele se voltou a mim e continuou: 
- Aliás, que pernas você tem Serena ! 
Harry se aproximou dele, serrando os punhos. Matthew levantou o braço e deu alguns passos para trás, com um sorriso no rosto.
- Só fiquei observando. - Declarou. E percebi que estava bêbado.
- É melhor você ir embora. - Ameaçou Harry.
Matthew se aproximou e colocou uma mão no ombro do Harry, como se fossem amigos.
- Me lembrei de outra coisa: Você está me devendo uma.
Antes que Harry pudesse perceber, Matthew tirou uma estaca de dentro do casaco que usava e a enterrou na barriga de Harry. 

8 comentários :

Anônimo disse... Responder

Pandemônio ,sua safada tu le instrumentos mortais heuheuheu ,to amandooo a fic ,tipo ta mo prft ,continua loogo

Manu disse... Responder

Senhor, continua logo! Lol ta muito mara, ta per-fect e tudo mais haha

Bibi Abdalla disse... Responder

Aaaaaa meu deussssss continua logooooooooooo ta de mais juro to viciada no seu imagine vc escreve mtoooooo bjsss

Anônimo disse... Responder

Por favor continua ta perfeita *-*

Anônimo disse... Responder

Continua logo vo t um heart attack u.u

XxaandrixX

Thais Ramos disse... Responder

Caaaara, por favor. Nunca me abandone! Essa fic é muito perfeita e eu preciso, necessito de pelo menos mais uns beijos hots do Harry com a Serena. Vey, eu respiro sua fic.
Pfff, continuuuua <3

Anônimo disse... Responder

Olha só. SUA PERFEITA! Continua logo isso q eu to viciadaaaa

Joyce Rayane Dos Santos Silva disse... Responder

Aaaaaaaaaah meu deus continua logoo pelo amor ♥♥♥

Postar um comentário