Truly, Madly, Deeply Capítulo 67 - Seu amor é uma mentira

"Você pode me dizer que não há outra pessoa, você pode me dizer que está em casa sozinha, você pode olhar nos meus olhos e fingir o quanto quiser, mas eu sei, seu amor é simplesmente uma mentira! Não é nada além de uma mentira! Você parece tão inocente, mas a culpa em sua voz te entrega. Sim, você sabe o que eu quero dizer, como você se sente quando beija,  quando sabe que eu confio em você." – Your Love Is a Lie
 
– Angel P.O.V's
Andava em passos largos e rápidos, caminhando para longe. Eu não conseguia descrever o que estava sentindo: raiva, ódio, tristeza... Não sabia. Uma parte de mim dizia: "Eu sabia, tentei avistar-ti, mas como sempre, não escultou-me, agora viva esta vida escura e solitária, perdedora" e a outra dizia "Ele não meresse suas lágrimas, continue e mostre que você é forte". Uma grande parte sabia que eu deveria ter me afastado assim que surgisse a chance, mas eu, a estupida apaixonada, segui a outra minuscula parte que dizia: vai, ame ele, ame ele de novo, todos meressem uma segunda chance e você meresse ser feliz ao lado dele. E como sempre eu segui a minuscula parte. Eu sabia que isso iria acontecer. Se sabia, por que não fugi? Por que? Porque eu sou estupida, por que eu sou ingênua, por que eu fui destinada a sofrer por amor. O amor é assim, te da o oxigênio para viver, mas também pode ser o veneno que lhe tira a vida. Eu acreditava ser uma sortuda, um escolhido para viver o amor e contemplá-lo em toda sua gloria, mas, agora, vejo que estive me enganando esse tempo todo, vejo que toda a minha vida eu estive errada. Eu tinha medo, medo de sofrer, se tinha medo por que não me afastei? Porque eu sou uma idiota!
Mãe: O que aconteceu querida? – abordou-me assim que passei pela porta principal
Eu: Nada mãe – disse seca.
Mãe: Claro que aconteceu algo, me...
Eu: Me deixa em paz! – grite e subi para o meu quarto.
Bati a porta com força, tranquei a mesma. Joguei a caixa em minhas mãos pra longe. Encostei na porta olhando para o teto.
Eu: Por que isso? Por que comigo? – disse após um grito abafado.
Dei alguns chutes na porta, bati, gritei, chorei. Não sabia o que mais podia fazer. Joguei meu corpo contra o chão, caindo de propósito, fiquei lá deitada, chorando, tentando achar forças para levantar e seguir frente. Não sei de onde tirei ou de onde irei tirar toda esta força. Era como se eu estivesse dormido por todo este tempo e apenas agora acordasse de verdade.
– Filha, o que aconteceu? – batia respetivamente na porta.
Eu podia ouvir alguns murmúrios, sussurros, perguntas sem respostas. Eu deveria ser forte, pelo menos uma vez. Deveria mostrar postura, meus pais não são culpados, eles não tem nada haver com isso. Eu deveria levantar a cabeça e seguir em frente, fazer outros planos. Agora era definitivo: eu nunca teria Niall, nunca mais o chamaria de meu.
Levantei-me do chão com dificuldade, limpei as lágrimas e abri a porta. Sorri amarelo para os meus pais e disse "Esta tudo bem", como todas as outras vezes. Eles ficaram preocupados, me fizeram algumas perguntas, respondi todas com o mesmo sorriso torto, que apartir de agora seria o meu acessório diário. Pedi para ficar em paz, sozinha, pelo menos algumas horas, eles concordaram, contando que eu os contasse o que aconteceu depois com mais calma. Sem saída, eu tive que aceitar, e eu vou contar tudo, tudo o que eu sei, não me importo mais com o que eles podem fazer com Niall.

– Narrador P.O.V's
O dia de Angel começou com uma noticia devastadora, a garota não sabia mais o que fazer. Na casa da família Horan, Frank e Nancy já estavam de saída, o dia havia tido muitas surpresas.
Maura: Foi um prazer... – disse com um sorriso incontrolável no rosto.
Nancy: O prazer foi meu, sogra – sorriu.
Niall encarou Nancy com os punhos cerrados, ele odiaria saber que ela estava de algum jeito se aproveitando da situação.
Frank: Até mais Niall – apertaram as mãos – É ótimo fazer negócios com você - disse em um sussurro.
Niall: Até mais – disse entre-dentes.
Frank: Vamos filha, temos muita coisa pra fazer – beijou a testa de Nancy – Obrigado pelo almoço Maura.
Maura: Sem problemas.
Nancy: Tchau Niall – selou seus lábios e foi embora junto ao seu pai.
Niall segurou-se para não ir até eles e liberar toda a sua raiva. Um grito fez com que Niall fugisse de seus pensamentos.
Maura: Meu filho vai se casar! – gritou. puxando Niall para um abraço – Viu, eu sabia que essa garota era melhor que a tal Angel – os olhos de Niall arregalaram.
Niall: O que disse?
Maura: Esquece filho...Falando em Angel... – a respiração de Niall estava fora de controle – Ela veio aqui.
Niall: F-f-fazer o q-que?
Maura: Ela queria falar com você, mas eu disse que estava ocupado.
Niall: Por que não me chamou? Eu não estava ocupado – disse bravo.
Maura: Você tinha acabado de pedir a sua namorada em casamento – disse um pouco alto.
Niall: Eu precisava falar com ela – sentou-se no sofá.
Maura: Pode falar com ela no dia do casamento.
Niall: Ela ainda não sabe – passou as mãos no cabelo.
Maura: Eu disse pra ela.
Era como se a respiração de Niall parrasse por segundos, ele encarou a mãe com uma expressão incrédula.
Niall: V-v-você o que? – perguntou baixo
Maura: Eu disse pra ela, algum problema? – disse com um ar de deboche.
Niall: Sim há um problema! – levantou-se – Mãe eu...Droga! – andou de um lado para o outro.
Greg: Calma o que aconteceu? – perguntou sentando-se no sofá.
Niall olhou para todos ali com os lábios contraídos e as mãos na cintura, depois pegou um casaco e saiu da casa, deixando a mãe e o irmão sem explicações.
O que seria dali a diante? O que ele poderia falar? Ele se sentia um monstro, nunca quis fazer mal a Angel, sempre quis protege-la, mas agora percebeu que ele deveria ter protegido-a dele mesmo, ele feriu uma garotinha frágil, e se odiava por isso, só agora percebeu tudo o que havia feito. Ele estava indo até a casa dela, tentar ter aquela conversar que nunca tiveram.
[...]
Duas batidas, isso fez Tyler e Jess espantarem-se, Tyler saiu do sofá e correu até a porta.
Tyler: Então foi você? – sem bom dia ou olá, ele sabia que o motivo pelo qual Angel estava triste era Niall.
Niall: Ela está bem? – perguntou cabisbaixo
Tyler: Não...O que você fez?
Niall: Um besteira – sussurrou olhando para o nada.
Tyler: Acho melhor concertar – deu espaço para Niall passar.
Niall: Acho que desta vez vai ser difícil – disse antes de entrar.
Jess: Niall você é o único que pode nos dizer o que aconteceu, estamos desesperados!
Niall: É tudo minha culpa – sentiu as lágrimas em seus olhos.
Tyler: Pode nos explicar isso desde o começo? – Niall suspirou e olhou para a porta do quarto de Angel, que eram bem visível do andar de baixo, em seguida olhou para os pais dela.
Niall: É uma longa história – disse tentando os fazer desistir.
Jess: Estamos sem pressa alguma.
Niall suspirou e sentou no sofá, a pedido de Tyler.
Niall: Tudo começou há três anos atrás, eu estava na porta da escola, as aulas já tinham acabado, eu estava pensando no que seria da minha vida, meu pai havia sido demitido e a minha mãe estava… –  engoliu seco – desesperada. Eu não sabia o que fazer. Eu percebi que um carro havia parado na porta do colégio e um homem saiu de dentro. Frank Johnson. Ele me fez uma proposta, eu teria que ser o namorado da sua filha, eu não entendi, mas pelo o que eu sei o Frank assinou um contrato falso, onde dizia que o dinheiro de sua herança iria para o próximo homem da família, ele ficou desesperado já que sua única filha era mulher e ela não podia ter filhos. Sem saída ele achou que a melhor coisa seria arranjar um namorado falso para casar com a sua filha.
Olhou para Tyler e em seguida para Jess, os dois olhavam atentamente, prestando atenção em cada palavra de Niall, eles pareciam compreende-lo, não conseguiam entender a parte de Frank e onde sua filha se encaixava na história.
Niall: Foi quando eu conheci a Angel – sorriu torto – Ela me fez esquecer de tudo, parecia que a realidade era apenas uma opção, ela me fez ver a vida de um ângulo diferente, um maravilhoso – Tyler sorriu olhando para baixo – o sorriso dela me dava forças e eu dormia pensando nela, como ela vai estar amanhã? Com qual roupa? Será que ela vai prender o cabelo? – foi a vez de Jess sorrir – Eu sempre fui apaixonado por ela, desde o dia em que ela chegou na escola, um garotinha de seis anos tímida que acabara de mudar de escola, nunca tive coragem de falar com ela, eu ficava apenas observando-a, acho que ela nunca tinha me notado. Depois de anos e anos finalmente achei um jeito de ficar perto dela, e não foi muito legal: uma aposta entre ela e o Zayn, que não deu muito certo, mas serviu para ficarmos mais próximos.
Jess: Aposta? – perguntou confusa.
Niall: Sim, ela apostou com o Zayn, disse que ele não conseguiria tirar um A+.
Jess: O que aconteceria se o Zayn perdesse?
Niall: Se o Zayn ganhasse ele passaria uma semana com a Jessie – sorriu – Se perdesse teria que estudar por uma semana
Tyler: E a Angel?
Niall: Se ela perdesse teria que passar uma semana comigo...E o Zayn ganhou – Tyler o encarou assustado – Mas não se preocupe, a aposta não valeu, como eu disse antes
Jess: E o que aconteceu depois? Vocês...Namoraram?
Niall: Depois? Sim, nos namoramos
Tyler: E o que aconteceu?
Niall: Eu tentava de todas as maneiras excluir este contrato, mas de nada adiantou, eu ia contar para a Angel, mas ela já sabia.
Jess: Eu ouvi uma conversa com ela e Jessie
Niall: Nancy, era amiga de Jessie, e eu nem sabia, provavelmente tinha falado alguma coisa – Jess olhou desconfiada para Tyler
Tyler: Vamos tentar entender – ajeitou-se no sofá – Você assinou um contrato de um homem desesperado onde dizia que você teria que se casar com a filha dele para o dinheiro por fim voltar as mãos do tal homem
Niall: Sim
Tyler: Mas no meio desse plano você encontrou a Angel
Niall: Sim – sorriu
Tyler: E você resolveu mentir...
Niall: Para proteger ela
Tyler: Protege-la de exatamente o que?
Niall: Eu não queria que ela soubesse
Jess: Por que? Você deveria ter contado-a antes dela se… Apaixonar por você
Niall: Eu queria que tudo isso acabasse, depois que esse contrato fosse encerrado eu diria tudo para ela
Tyler: E você acha que ela ia aceitar você?
Niall: Eu sei que não, mas iria pelo menos tentar
Jess: Eu não consigo entender o lado desse tal de Frank
Niall: Ninguém consegue
Tyler: E por que você não procura um, sei lá, advogado?
Niall: Eu garanto que não terão muitas soluções para este caso
Tyler: Claro que sim!
Jess: Tyler fez faculdade de direitos – disse animada
Niall: O senhor pode me ajudar?
Tyler: Jess você sabe que aquilo foi passageiro
Jess: Mas você fez
Niall: Vocês podem me ajudar? – pediu
Tyler: Eu irei ajuda-lo – um grande sorriso surgiu nos lábios de Niall – mas isso é pela minha filha
Niall: Muito obrigado
Tyler: Irei falar com alguns amigos sobre isso e se não houver solução quero que você fique bem longe da Angel
Niall: Tudo bem – disse baixo
Tyler: Acho melhor conversar com ela
Jess: Eu também – Niall olhou para Jess e Tyler
Niall: Obrigado
Jess: Nós vamos, deixar vocês a sós
Tyler: O que? N...
Jess: Vamos – disse entre-dentes – Ela esta no quarto querido - puxou Tyler – Voltamos depois de uma hora
Disse antes de fechar a porta, deixando Niall e Angel sozinhos em uma casa. Angel não sabia o que se passava, ela estava em seu quarto observando o teto e pensando, enquanto Niall subia as escadas e tentava encontrar as palavras certas.
– Angel P.O.V
– Angel…– ouvi duas batidas na porta, levantei rapidamente, era uma voz familiar. Corri até a porta e abri rapidamente…
Eu: Filho da mãe – disse assim que vi Niall – Por que você mentiu pra mim? – bati em seu ombro
Niall: Angel, espera…
Eu: O que você quer de mim? Já não basta aquilo tudo?! Sai daqui agora! Você brincou comigo como se eu não passasse de um lixo – cuspi as palavras
Niall: Angel por favor – puxou meu braço
Eu: Me larga, eu tenho nojo de você
Isso pareceu atingi-lo como um soco no estômago, mas logo ele se recompôs sem soltar meu braço.
Niall: Precisamos conversar
Eu: Não temos nada para conversar
Niall: Por favor babe – sussurrou
Suspirei e puxei meu braço, cruzando-os em seguida.
Eu: Começa me dizendo se aquilo que a sua mãe falou é verdade? – disse baixo, Niall assentiu devagar, aquilo fez meus olhos encherem d'água.
Niall: Sim – disse com a cabeça baixa
Eu: Eu sou estupida – gritava, recusando-me a deixar as lágrimas caírem e ser tomada por um choro incontrolável.
Niall: Por favor me esculta – segurou meus pulsos – isso tudo é minha culpa, eu...Eu assinei um contrato com o pai da Nancy… – foi incontrolável, as lágrimas começaram a cair
Eu: Eu sabia, eu sabia – disse já chorando
Niall: Angel eu sinto muito...
Eu: Sente? Você sente?!
Niall: Eu vou tentar desfazer tudo isso eu...
Eu: Niall, eu não… – respirei fundo com os olhos fechados – Eu não quero mais ouvir nada, saia daqui, saia da minha vida.
Niall puxou-me para perto e assim sussurrou:
Niall: Talvez, fazer você escutar não seja a melhor opção para mostrar que eu estou realmente arrependido – sussurrou ele contra mim.
Um de seus braços foi para trás do meu pescoço, com sua mão acariciando meus cabelos, o outro braço me envolvia pela cintura, apertando-me contra seu corpo. A proximidade fazia com que todos os meus pelos se eriçarem. Seus lábios se encaixaram nos meus de forma como se fosse impossível fugir deles. Ele nunca tinha me beijado daquele jeito, com tanto ardor, tanta emoção, ele me mostrava o quanto estava arrependido em seus lábios. Já não adiantava. Era tarde demais. Debati-me em seus braços o que era inútil. Niall era forte demais para mim. Depois de algum tempo tentando me afastar dele, mas sem sucesso desisti de fazê-lo, ao invés disso eu sentia seus lábios se movendo contra os meus. Para ser sincera eu queria sentir aquilo desde o começo. Um último beijo. Quando ele parou parecia tão satisfeito consigo mesmo que nem mesmo viu minha mão indo em direção ao seu rosto com todas as forças que me restavam.
Eu: Eu disse para você me deixar em paz
Niall: Eu nunca vou desistir de você - disse,  antes de deixar o andar onde estávamos.
Vê-lo descer as escadas nunca foi tão difícil quando agora, eu odiava o mundo sem ele. Mesmo errando ou mentindo, eu continuava amando ele, talvez isso não seja amor, não sei bem o que é. Eu queria gritar, gritar o quanto doí. Ele me usa, me faz acreditar que ele me ama, eu caio em todas e no fim, eu sempre me machuco, e esta é a pior parte: quando descubro que não tenho ninguém pra me ajudar.

2 comentários :

Joyce Rayane Dos Santos Silva disse... Responder

Omg continua♥♥♥

Anônimo disse... Responder

~nova leitora~ sua fic é d+ estou adorando, ela é viciante!
Pf continua rápido, preciso dela kkkk
Leticia M.

Postar um comentário