Truly, Madly, Deeply 66 - Nancy, aceita se casar comigo?


Uma semana depois…
Os dias passaram-se tão rápido que nem pude acompanhar-los direito, quando pisquei os olhos já era dia de arrumar as malas para a viagem. Não tive com o que me preocupar na quarta, quinta e sexta, já que as aulas foram suspensas por motivos desconhecidos. Apenas ouvi o "Não haverá aula" do porteiro e caminhei de volta para minha casa, sem explicações ou motivos para dar aos meus pais, mas com todo respeito não fazia diferença, já que andam bastante ocupados. Eles não param de se beijar, isso já está começando a me irritar, todavia eles merecem. Nunca os vi assim em torno de longos e cansativos 17 anos. Pelo menos eles estavam felizes, ao contrário de mim, que continuava com as minhas crises de bipolaridade. Eu estava me sentindo estranha, diferente, meu humor mudou bastante, eu não sei o que aconteceu, na certa peguei alguma doença. Alguma doença que mude o humor só pode ser.
Jessie nunca mais nos ligou, parece que Atlanta é repleta de coisas pra fazer, pois nós precisamos correr atrás de notícias suas. Na última vez que ela ligou tive vontade de embarcar no próximo avião para os Estados Unidos e desce-la tapas. Além de ficar dando conselhos sobre eu e Niall, ela manda recados para Zayn e Grace e digamos que alguns são "estilo Jessie", aqueles que dá vergonha até de ouvir.
A viagem para Liverpool será amanhã, então como já disse: hoje é dia de arrumar as malas, que na verdade já estava arrumada; apenas uma mala. Eu não estava me sentindo a vontade, eu queria dormir, descansar e ficar sozinha… Queria ficar em casa, mas os meus pais devem ter algo contra mim. Eu nunca mostrei nenhum interesse por Liverpool, os ingleses chamam a cidade de Lar dos Beatles, por mais que eu ame os Beatles não trocaria uma 'semana pregiça' por uma viagem a Liverpool – tudo bem isto é mentira – . O problema é que eu não sei muitas coisas sobre Liverpool, mas quem sabe eu me divirta, lá deve ter muitas coisas pra fazer ou um museu dos Beatles.
Mãe: Angel tenho más notícias – apareceu do nada na frente da televisão
Eu: Você arranhou meus cds? – levantei rapidamente do sofá
Mãe: Não…De onde tirou isso? – respirei aliviada
Eu: Então o que aconteceu?
Mãe: Você não poderá ir para Liverpool – e novamente estava dançando hula por dentro.
Eu: Por que não? – fingi preocupação enquanto me segurava para não rir
Mãe: Parece que a viajem será mais cansativa do que eu pensei
Eu: Eu queria tanto ir para Liverpool – está parte foi sincera
Mãe: Eu sinto muito filha
Eu: Tudo bem mãe, a culpa não é sua
Mãe: Ainda bem que entendeu – me abraçou – Não pense que ficará aqui sozinha – me desabraçou
Eu: O que eu fiz para perder a confiança de vocês? – sentei no sofá
Mãe: Ficou bêbada, trouxe o seu namorado para casa e nem nos contou que namorava
Eu: Ele não é meu namorado – disse pausadamente
Mãe: Que seja…Irei ligar para alguns vizinhos ficarem de olho em você – encarou-me de cima para baixo
Eu: Está é a coisa mais estupida que eu já  ouvi
Mãe: Você está me chamando de estupida?
Eu: Não você, a sua ideia sim
Mãe: Suba para o seu quarto – ordenou
Eu: Tudo bem – andei até a escada
Mãe: Aproveite e desfaça a sua mala – disse antes que eu subisse a escada.
Subi para o meu quarto, fechei a porta e fiz uma dancinha bizarra. Eu estava feliz por que ficaria em casa sozinha, e ficar em casa sozinha é sinônimo de maratona de filmes, uma dos hobbies que eu mais adoro depois dormir e comer.


Peguei a mala preta que estava no canto do meu quarto e arrastei até a minha cama, quando levantei a mala pude perceber um casaco verde-musgo perto do meu criado-mudo, estranhei aquilo, mas parecia-me familiar. Certamente aquilo seria de um certo irlandês, mas o que seu casaco esta fazendo aqui? Como a próxima fase de minha vida era tentar (eu disse tentar) esquecer Niall, aquilo com certeza não iria permanecer aqui.

Peguei o casaco de Niall e coloquei em cima da cama do lado da mala, depois arrumo um lugar pra atear fogo. Comecei a tirar as roupas de dentro da minha mala, enquanto retirava algumas roupas, encarei o casaco de Niall, o cheiro dele ia direto para minhas narinas, como se eu estivesse abraçada com ele ali, agora. Não consigo descrever o quanto é bom sentir aquilo. Eu precisava devolver aquilo, não iria conseguir dormir com o cheiro de Niall em todo meu quarto. Fui até o quarto de Jessie e peguei uma caixa que estava pelo chão, era pequena, mas larga, tinha um tom de azul e alguns detalhes, era uma caixa de presente sem dúvidas. Peguei a caixa e voltei ao meu quarto, abri a mesma e coloquei o casaco de Niall dobrado de um jeito que coubesse na caixa. Havia mais algumas coisas de Niall em meu quarto, ele havia me dado a muito tempo, talvez esta fosse a hora de esquece-lo de verdade. Fui até o meu criado-mudo e tirei de dentro de uma pequena gaveta uma pulseira branca e azul que ele costumava usar. Junto com a pulseira encontrava-se uma touca azul, a touca que ele me pôs em um dia de inverno. Sorri ao lembrar deste dia, acho que caí umas duas vezes sobre a neve, sem contar as quedas que tivemos quando ele resolveu me ensinar a patinar no gelo, foi um dia perfeito. Me lembro da guerra de neve...
[…] A neve caía calmamente pelas ruas de Londres, as pessoas aqueciam-se com o que podiam. Há poucas pessoas nas ruas, a maioria casais felizes e contentes, entre eles Angel e Niall.
– Niall esta fazendo muito frio, por que não voltamos para casa? – disse Angel tentando aquecer-se com o calor das mãos
– Nunca passeamos no inverno – justificou Niall
– Acho que você quis dizer que nós nunca passeamos – sorriu junto a Niall
Niall beijou a bochecha de Angel e pegou a sua mão, os dois foram caminhando pelo parque coberto pela neve.
– O que acha de aprender a patinar no gelo? – disse Niall apontando para uma pista de patinação no gelo improvisada em cima de um lago que, com o inverno, congelou
– Você sabe patinar no gelo? – perguntou Angel
– Não – respondeu Niall com um sorriso – Mas não deve ser difícil
– Ah, claro, a pior coisa que pode acontecer é você quebrar o pé – ironizou
– Vamos, eu te ensino – puxou Angel
– Mas você não sabe
– Eu aprendo – continou puxando-a
Eles foras correndo até a pista, mas com cuidado para não cair pela neve. Haviam várias pessoas, algumas com patins apropriados e outras apenas com as suas galochas ou botas. Niall puxou Angel para a pista de gelo e os dois foram deslizando até o centro. Sempre que sentia que iria cair, Angel segurava no braço de Niall. Os dois fora assim: sem patins ou qualquer proteção, como se estivessem apenas deslizando sobre a neve. Niall resolveu deixar Angel andar sozinha, sem a sua ajuda, mas o resultado não foi muito bom, ela acabou caindo.
– Niall, por que você me soltou? – disse a garota ainda no chão
– Eu não sabia que iria cair – disse sorrindo enquanto estendia a mão para Angel.
Ela viu a cena como um belo momento para vingança, e assim que entrelaçou a sua mão com a de Niall, puxou o loiro imediatamente para o chão assim como ela. Com Niall caído ao seu lado, Angel não conseguiu conter a risada.
– Por que você fez isso? – perguntou Niall
– Para que da próxima vez você não ria de mim – levantou-se e estendeu a mão para Niall, que ao contrario dela aceitou a ajuda.
Os dois continuaram a tentar, as pessoas ali presentes admiravam o jovem casal feliz.
Depois de passar mais de quarenta minutos andando sobre o gelo, Niall e Angel voltaram a passear pelo parque e no meio do passeio notaram uma guerra de bola de neve. Sem pensar duas vezes, o jovem casal partiu em direção ao local da guerra já fazendo suas bolinhas de neve.
– Toma – disse Niall colocando sua touca azul em Angel – Está fazendo muito frio – beijou a sua testa.
Os dois se afastaram e começaram a guerra, a maioria das pessoas eram crianças, então Angel e Niall tiveram que pegar leve com a velocidade das bolas de neve. No meio da guerra, Niall puxou Angel e os dois acabaram caíndo novamente, desta vez, sobre a neve, Niall puxou Angel para perto e selou os seus lábios.
– Eu amo você sabia? – disse Niall
– Sabia – sorriu – Eu também amo você – sorriu
– Ei! – disse uma das crianças – Não pode beijar o inimigo
– Acho que teremos que remover esta regra – disse Niall.
– Vocês será punido – disse o garoto
– Tudo bem – disse Niall levantando do chão.
Todas as crianças e jovens fizeram suas bolas de neves na qual seriam jogadas em Horan, inclusive Angel.
– Foi mal amor, mas, eles não permitem que fiquemos juntos – disse Angel
– Um, dois, três, fogo! – com isso todas as bolinhas de neve foram diretamente jogadas em Niall, que acabou caindo no chão. Para ele aquilo até que foi divertido.
– Olha só, você 'tá todo sujo – Angel gargalhou, Niall puxou Angel e colou seus corpos
– Vem, eu vou sujar você – disse Niall jogando um bolinha de neve em Angel
– Você me paga Niall! – disse Angel correndo atrás de Niall […]
Coloquei tudo na caixa que havia pegado no quarto de Jessie, e sai com ela debaixo do braço, coloquei um casaco, uma touca e luvas. O clima continuava horrível de gostoso, era tão bom o frio que apenas Londres possuía.
As ruas estavam escuras, mesmo sendo meio dia, as nuvens cinzas continuavam a aterrorizar as pessoas e os ventos frios bagunçavam meus cabelos. Pus as mãos nos bolsos e tirei vinte euros, agradeci por achar aquele dinheiro, isto me dava completo direito de passar reto pelo metro ou da parada de ônibus, caminhando em direção a avenida movimentada a procura de um táxi livre. Fiquei plantada por minutos pedindo parada quando finalmente uma alma de Deus parou, entrei no carro e disse o endereço para o táxista que assentiu e seguiu o caminho calmamente. Na rádio, BBC News, parece que as pessoas daqui não escultam mais música. Em meio as notícias do avião da Malásia, um comentarista começou a falar do jogo do Mashester, o táxista não gostou muito do resultado do jogo e começou a descultir com o rádio, eu abafava do riso toda vez que ele xingava o pobre James Naughtie.
– Narrador P.O.V's
A casa dos Horan estava em festa, todos estavam felizes com a excessão de Niall. Ele estava feliz pelo irmão, mas ao lembrar do que terá de fazer daqui há algumas horas fazia o garoto arder de raiva e chorar de ódio. Nancy também não estava feliz, mas tinha que demostrar algum tipo de animação, já que todos ali pensam que eles são um 'casal apaixonado'. Todos estavam presentes no almoço de noivado de Denise e Greg, que seria, daqui a alguns minutos, o lugar do pedido de casamento de Niall para Nancy. Era um almoço típico de família, o pai de Niall não pode juntar-se ao almoço, a esta hora ele está em alguma das diversas ruas de Mullingar. O almoço desta vez contava com a aparição de Frank e Nancy que por algum motivo foram convidados pela mãe de Niall. Sem pensar duas vezes Frank teve a estupida ideia de tornar aquele o momento perfeito para o inicio de seu plano financeiro, Nancy tentou de todas as formas impedi-lo, mas era tarde demais e mesmo que não fosse, ele nunca iria desistir.
Frank: Parabéns Greg, você é um homem de muita sorte – ergueu a taça de vinho que estava em suas mãos deixando Denise sem graça com tais palavras
Greg: Obrigada sr. Jonhson – sorriu
Maura: Então, como vão as coisas com o Niall, Nancy? – mudou de assunto
Nancy: Ah…Tudo bem – olhou para Frank que fez uma expressão alerta – tudo ótimo – reforçou
Denise: Suponho que estejam muito felizes, vocês são um casal lindo
Niall: Obrigado – sorriu torto
Frank: Então...Quando será o casamento? – virou-se para Greg
Greg: Próximo mês – sorriu para Denise
Denise: Queremos nos casar o mais breve possível!
Frank: Que ótima notícia – olhou para Niall que suou frio
Maura: Tenho certeza que todos estão com fome – levantou-se – Irei servir o almoço, Denise você pode me ajudar?
Denise: Claro – levantou-se e seguiu a sogra
Greg: Irei ajuda-las, com licença – disse e saiu, deixando Frank, Nancy e Niall sozinhos em uma mesa redonda.
Frank: Quando irá agir? – sussurrou
Niall: Logo – reprimiu
Nancy: Pai, não podemos fazer isso – disse com um tom triste
Frank: Temos que fazer e agora! – sussurrou
Maura apareceu na sala de jantar com um frango enorme em uma travessa, logo em seguida Denise trazia alguns aperitivos e Greg o famoso Fish and Chip. Enquanto Maura servia a todos, Niall encarava o nada, como sempre ele estava pensando em Angel, o que seria dele depois da frase: "Nancy, aceita se casar comigo?", ele não conseguia pensar em um jeito de livrar-se de tudo isto e correr livre para os braços de Angel, ele queria gritar, mas tudo o que saíram eram murmúrios e palavras abafadas, ele suava; a hora estava chegando.
Maura: Niall! – gritou o nome do filho pela quinta vez, ele balançou a cabeça e prestou atenção nas palavras de sua mãe – Onde estava? – sorriu
Niall: Eu estava pensando
Maura: Pensando em quê? – sentou-se em sua cadeira
Niall: Eu estava... – olhou para Frank que contia um sorriso indecifrável em seus lábios – pensando… – Frank fez um sinal positivo, como se estivesse pedindo para ele continuar e foi isso que ele fez – Estive pensando em todas as...Todas as horas em que estive feliz, e em todas que estive triste, em todas as horas que ela me ajudou a levantar e seguir em frente, em todas as horas que ela me fez sorrir, mesmo em situações difíceis – levantou-se e foi em direção à Nancy que estava sentada ao seu lado – De todas as vezes que chamei o seu nome e ela veio correndo me confortar em seus braços – colocou a mão no bolso remexendo o lugar em busca da caixinha preta, Nancy sabia que esta era a hora, contudo virou-se e fingiu surpresa – De todas as vezes que eu disse "Eu te amo", de todas as vezes que eu planejei o nosso futuro juntos e de todas as vezes que eu ensaiei esta frase – ajoelhou-se – Nancy Carter Johnson – abriu a caixinha que contia o anel que Frank comprou – Aceita se casar comigo?
Nancy estava suando frio, ela queria dizer não, mas sabia que teria de dizer sim, pelo seu bem e pelo bem se seu pai.
Nancy: E-e-e... Eu aceito – disse por fim.
Uma lágrima caiu dos olhos de Maura assim que viu a cena que sempre esperou, Denise estava com as emoções a flor da pele, ela sorria e batia palmas assim como Greg, Frank e Maura.
Niall levantou Nancy no ar e em seguida beijou-se, ele era um ótimo ator, ambos eram.
Maura: Eu não acredito nisso?! Meus dois filhos irão se casar – colocou as mãos sobre os olhos.
Frank: Ah, minha filha – abraçou Nancy, mas logo largou-a – Niall, tenho certeza de que irá cuidar muito bem dela – deu uma tapinha no ombro direito de Niall.
Niall: Com certeza.
Maura: Acho que todos estamos felizes!
Denise: Hoje é o melhor dia de todos – abraçou Greg.
Maura: Concordo, meus dois filhos acharam as mulheres de sua vida, não consigo acreditar!
Todos os sorrisos foram cortados assim que uma campainha soou pela casa, todos se entreolharam confusos.
Maura: Quem será a esta hora?
Maura limpou as lágrimas e correu até a porta, surprendeendo-se com a pessoa do outro, era Angel, com um sorriso doce e uma caixa na mão.
Angel: Bom dia senhora Horan, o Niall está? – perguntou com o mesmo sorriso de sempre
Maura: Quem é você? – o sorriso de Angel desapareceu, ela havia esquecido que nunca fora apresentada formalmente a família de Niall, apenas algumas vezes como a "amiga problema".
Angel: Angel, eu sou...Amiga do Niall – sorriu de canto.
Maura: Ah, Angel – analisou a garota, ela lembrou do nome 'Angel', que pra ela era o nome da garota que fez seu filho sofrer – O Niall está ocupado agora, o que deseja?
Angel: Eu queria conversar com ele – disse meio sem graça.
Maura: Oh me desculpe, ele esta no meio de um almoço, na verdade acabou de pedir sua namorada em casamento....
O corpo de Angel paralisou. Vários sentimentos invadiram seu corpo, ela estava sem reação, não conseguia ouvir nada do que Maura falava, apenas via seus lábios mexerem e a expressão feliz de seu rosto. Era como se todas as suas duvidas fossem esclarecidas com a resposta que ela menos esperava ouvir.
Maura: Angel? – tirou Angel do transe, fazendo a garota piscar várias vezes
Angel: Ah, desculpe, e-e-eu preciso ir – olhou para baixo – pode avisa-lo que eu apareci?
Maura: Aviso sim
Angel: Obrigada – disse em um sussuro.
Maura sorriu e esperou a garota deixar a casa, ela sabia que deveria manter seu filho distante de Angel, mal sabia o que acontecera de verdade.
Niall: Quem era? – perguntou assim que Maura sentou-se
Maura: Ah, era engano – sorriu.
Niall olhou desconfiado, mas não deu muita importância, confiava em sua mãe.

Estou pelo celular de novo, mas consegui postar. A Mari pediu que eu fizesse mais capítulos, então, pra quem leu as "Explicações", esqueça o que eu disse sobre estar quase no final. Eu estou começando a fazer a fanfic com o Louis, eu fiz outra, se chama Obsession. Enfim, o que acharam do capítulo? Eu fiz a muito tempo atrás acreditem, eu estou editando pelo celular por isso demorou tanto. Assim que terminar de editar o capítulo 67 irei postar aqui. Desculpe pelos erros, se tiver algum. Comentem, amo os comentários de vocês. Xx

3 comentários :

Aninha disse... Responder

Noss eu amei so fiquei triste por Angel mais ta perfeita♥♡♥♡♥♡♥♡♥!!!!!!

Joyce Rayane Dos Santos Silva disse... Responder

OMG ta perfeita continua ♥ ♥

Anônimo disse... Responder

omg! tadinha da Angel. continua logo, amo a sua fic

Postar um comentário